Bridge

not

Finanças

2012-12-19 13:25:23 - FOLHA DE S. PAULO / BLOG CARO DINHEIRO

Campeão de inadimplência, cartão de crédito exige cuidados no fim do ano

Samy Dana

O mundo moderno conta com ferramentas financeiras variadas para facilitar a vida do comprador. O cartão de crédito é a principal delas. Tem desbancado seus concorrentes e vem ganhando destaque no mercado.

No entanto, as opiniões se dividem quanto a seus efeitos. Enquanto muitos o consideram um grande amigo, outros o têm como o pior dos males.

Não há consenso sobre o assunto, mas é fato que diversos usuários do cartão de crédito ultrapassam tanto o limite que ficam incapazes de sanar suas dívidas. Os dados do Banco Central mostram que o cartão é o campeão de inadimplência. Cerca de 30% dos créditos concedidos estão em atraso.

De certa forma, o cartão de crédito funciona como um automóvel: em mãos certas, leva seu usuário a diversas realizações. Quando utilizado sem controle, pode causar estragos de dimensões inimagináveis, uma espécie de suicídio financeiro.

Consumidores que não pagam o valor total da fatura entram em uma batalha contra uma taxa de juros que pode exceder 200% ao ano, muito superior aos atuais 7,25% da Selic (taxa básica de juros).

A dificuldade de controlar os gastos com cartão está ligada à comodidade e à impressão de segurança. O fato de não ser necessário contar o dinheiro gera um falso alívio no consumidor, que muitas vezes não se preocupa em marcar os gastos que efetuou.

Às vésperas do Natal, ainda dá tempo de parar e pensar antes de se enrolar. Para evitar surpresas com a chegada da fatura, o usuário do cartão pode criar mecanismos de prevenção, como anotar todos os gastos com cartão de crédito e não ultrapassar sua capacidade de pagamento.

Dessa forma, o cartão poderá se tornar um aliado, sendo possível tirar proveito da ausência de juros até a data do vencimento e de eventuais programas de pontos.

MATÉRIA NA ÍNTEGRA

http://carodinheiro.blogfolha.uol.com.br/

 

enquete

Qual é a marca do seu Smartphone?

too Bridge

CÁLCULO DO ERRO AMOSTRAL